sexta-feira, 21 de março de 2014

As equipas Portuguesas na Europa

Muita gente já dava como dado adquirido a eliminação do Porto em Nápoles,mas Ghilas,Quaresma,Fabiano e companhia não foram na cantiga.
Foram 60 minutos de sofrimento,com o Nápoles a empatar a eliminatória e a criar várias ocasiões para se colocarem em vantagem,mas Fabiano foi enorme e agarrou a equipa ao "sonho".

Luís Catro arriscou e colheu frutos,ao colocar Ghilas e Josué em campo nos lugares de Varela e Carlos Eduardo.
Ghilas marca 4 minutos depois de ter entrado e a magia de Quaresma deu a volta ao resultado,sendo que estava encontrado o vencedor da eliminatória.
Aos 92 minutos Zapata empata a partida,mas a eliminatória já estava no nosso bolso.

Agora venha o Sevilha,sendo que o 1ºjogo é no Dragão.

Ao contrário do Porto,o Benfica estava confortável na eliminatória fruto da vitória por 3-1 em Inglaterra.
Aproveitou para fazer descansar alguns jogadores e isso notou-se na qualidade de jogo da equipa.
O Tottenham foi criando algumas ocasiões para marcar,mas nunca teve arte nem engenho para colocar a bola dentro das redes encarnadas.

Por seu lado o Benfica revelou eficácia e aos 34 minutos o central goleador Garay coloca a equipa em vantagem,após boa jogada de Sálvio.
Ms o futebol tem destas coisas,2 golos de Chadli aos 78 e 79 minutos colocam os Londrinos a 1 golo do empate na eliminatória e a equipa do Benfica tremeu.
Os Ingleses ainda criaram 2 ou 3 situações para marcar o 3 golo,mas seria Lima na conversão de uma grande penalidade que colocaria um termo a qualquer dúvida.

Tim Sherwood assistiu ao jogo na tribuna presidencial,por querer estar longe de Jorge Jesus.
Já Jorge Jesus deve ter tido pouca vontade de "mostrar" dedos,apartir do momento em que tremeu com o 2ºgolo do Tottenham (palavras do próprio).

Agora segue-se o AZ ALkmaar,com o 1ºjogo a ser na Holanda.

1 comentário:

Frederico Ventura disse...

O Benfica adormeceu à sombra da bananeira e tremeu bastante quando sofreu 2 golos no espaço de 1 minuto, espero que sirva de lição, era escusado aquele aperto de coração todo.

Já o Porto teve a "sorte" de ter um Fabiano inspirado e um Quaresma decisivo... aliás até agora nunca pensei que viesse a fazer tanta diferença na forma de jogar do Porto.