quarta-feira, 12 de fevereiro de 2014

Conta-me como foi o Derbi

Este é a crónica do Derbi visto por quem gere o site oficial do Sporting.
As pérolas são tantas que nem me dei ao trabalho de sublinhar as partes mais anedóticas,deixando isso ao cuidado dos leitores.
Esta crónica está quase tão boa como a crónica escrita no site oficial do Benfica aquando dos famosos 5-0 no Dragão.

O Sporting cedeu, esta terça-feira, ante o Benfica, por 2-0, em jogo remarcado da 18.ª jornada da I Liga.

No estádio da Luz – desta vez em segurança – os «leões» entraram tímidos, deixando a equipa da casa assumir o comando nos instantes iniciais da partida. Mas quando mostraram as garras, foram trilhando o caminho, até à baliza de Oblak, com jogadas de insistência a meio-campo e cruzamentos «venosos» do reforço Heldon.

Lá na frente, o destemido Slimani, hoje a titular (domingo já o era!), seguia as jogadas do meio-campo e tentava aproveitar as bolas que chegavam ao ataque. Foi assim, aos 13 minutos, quando a bola foi mais depressa do que esperava e foi assim, aos 17 minutos, quando lhe foi assinalado o fora-de-jogo.

As «águias» respondiam, por Markovic e Maxi, aquele que tanto joga, como entra a pés juntos sobre os adversários, e iam obrigando Rui Patrício a responder bem e à altura de um titular de Portugal. Aos 26 minutos, o guardião «leonino» levou o esférico para a marca de canto, após negar o golo a Rodrigo.

Mas, pouco depois, Rui Patrício viu a bola entrar na sua baliza, por distracção defensiva da equipa, que deixou passar Maxi, posicionando Gaitan para desfazer o nulo no marcador. É certo que o Sporting ficou em desvantagem, mas não perdeu o rumo…

Aos 30 minutos, após a marcação de um livre, Slimani voltou a inclinar a cabeça para o golo, mas Oblak tirou o esférico da zona de intervenção do argelino. A seguir foram Piris e Montero, em boa triangulação, a assistir Heldon na área, mas o «caloiro» tocou mal na bola.

Com uma estreia de «leão», Heldon não ficou afectado e quis mostrar porque foi escolhido para esta equipa. Sempre aguerrido, lançou a bola para a área «encarnada» tantas vezes, quantas aquelas em que a bola lhe foi aos pés, mas a defesa benfiquista soube cortar bem e levar a vantagem de 1-0 para o intervalo.

No recomeço da partida, viu-se um «leão» mais atrevido, ainda que com a mesma «cara». Leonardo Jardim apostou nos mesmos 11 e os mesmos 11 conseguiram responder. Lançaram-se ao ataque e as «águias» precisaram de os «ferir» para os travar.

Assim, de bola parada e corrida o Sporting ameaçava a baliza de Oblak. Os «encarnados» respondiam, mas a defesa, mais compacta, conseguia aliviar a meio-campo.

O algum atrevimento, contudo, não dava em golo e o técnico «verde e branco» mexeu na equipa. Abdicou de André Martins para a entrada do sempre atrevido, Diego Capel. O esquema mudou, com mais um jogador do ataque…

Mas foi o extremo Heldon quem fez o coração dos «encarnados» acelerar. Jogada rápida, com o «leão» a passar por dois adversários e a tentar surpreender com um cruzamento ao jeito de remate. Foi perigoso, mas não furou a rede «encarnada» por muito, muito, pouco.

Aos 69 minutos, as «águias» quiseram, de novo, dar a sua graça, mas estava lá Rui Patrício, para segurar a bola pontapeada em força por Lima.

Entretanto, saiu Piris e entrou Gerson Magrão. E, na jogada seguinte, Heldon cruzou bem para a área, onde estava Slimani, que sem espaço e egoísmo, entregou curto para Magrão. O «camisola 10» girou sobre si, chutou no coração da área, mas o esférico foi aliviado – quase sem querer – pelos defesas.

O Benfica parecia querer segurar o resultado e, na própria casa, foi contestado pelos adeptos. A contestação resultou, aos 76 minutos, e após uma boa defesa de Rui Patrício... jogada de insistência à entrada da área, com Enzo a rematar em jeito para o 2-0.

Desvantagem pesada para o Sporting e Leonardo Jardim voltou a mexer: entrou Carlos Mané, saiu Slimani.

O «pequeno leão» entrou bem e levou logo o perigo à baliza do Benfica. Sabia bem o caminho e, assim, repetiu o atrevimento várias vezes. Enquanto Montero, também teve a oportunidade de marcar, mas Oblak defendeu.

Já não havia tempo para muito, mas derby que é derby tem «briga» no meio e, como de costume, Gaitan mostrou o nervo com Mauricio. Amarelo para os dois, últimos cartuchos do jogo e 2-0 no marcador… uma derrota penalizadora, desde logo pela má entrada.

Sporting.pt

3 comentários:

Inês de Sousa disse...

Sou sincero, li apenas metade, no entanto nessa metade que li dá-me a ideia que o jogo que vi foi diferente desse aí descrito. Essa crónica dá ideia de que o Sporting dominou, mas não marcou, aliás...nem me lembro de ver um remate à baliza da parte do Sporting.

O Benfica criou mais perigo nos primeiros 10 minutos de jogo, que o Sporting durante os 90.
Foi jogo de sentido único, foram 2 mas podiam ter sido mais 3.

Frederico Ventura disse...

PS:
Mania da rapariga não fazer log out das contas.

Até há umas jornadas o Sporting era o melhor ataque indiscutível... hoje "borra-se" todo para meter uma dentro da baliza

Tomé Silva disse...

Frederico por momentos pensei que estivesses com dúvidas acerca da tua identidade :-).

Apenas vi a 2ªparte,mas pelo que disseram foi apenas a continuação da 1ªparte.

A vitória do Benfica nem se coloca em causa,aliás o Sporting bem pode agradecer por ter vindo só com "2 chapas" no bucho.